(Des)Aventuras Call it life Vida Académica Na prateleira Pipocas precisam-se Eu, escritora Blogs,Blogs,Blogs Tick tock On repeat 2 ou mais Pois... quanto a isso

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Foram só cerca de oito meses - 10º ano em 7 paragrafos

Com toda a  teatralidade da coisa, o Sol começou a sorrir, a chuva a cessar e todos nós começamos a perceber que , por muito cansaço que tivéssemos em cima (acreditem, era mesmo muito), o tempo passara mais depressa do pensamos que fosse passar. Consigo lembrar-me do dia da apresentação, do desespero que foi quando os pais foram chamados a outra sala sendo eu, como muitos outros, abandonada, largada aos lobos a quem mais tarde chamaria, com sinceridade, amigos. Lembro-me de ter olhado para alguns rostos e imaginado quem se esconderia por detrás, de pensar se uma das raparigas não teria calor com a camisa de flanela que tinha vestida, lembro-me da primeira pessoa com quem, mais tarde, falei, de como todos corredores pareciam iguais,  os professores intimidantes (sim, é para si stora de história), de como tudo o que se tornou usual era tão estranho e ameaçador. Não me lembro da noite anterior ao primeiro dia, penso que tenha sido  banhada por nervos e uma antecipação acarinhada por medo e entusiasmo em iguais quantidades, o que é certo é que, no caderno que mantenho na mesa de cabeceira, escrevi umas quantas palavras de motivação, pois digo, de muito pouco serviram, talvez se lhes tivesse ligado a música do piano tivesse soado diferente mas c'est la vie e, vendo bem, gente, estou viva e o meu 10º ano foi bastante positivo! Aprendi muitas coisas que me ajudarão para os meus próximos anos como estudante, tal como aprendi outro tanto sobre mim mesma e, mais importante, foi o verdadeiro ano de adaptação que todos me disseram que seria.


O ambiente é totalmente diferente, falo pela minha escola, destinada apenas a meninos crescidos, do 10º ao 12º ano. Obviamente, não passa só pelos alunos, os professores são claramente mais exigentes e fazem questão que percebamos que já deixamos o ensino básico para trás, ouvi-o vezes e vezes sem conta. Mais trabalhos, outro tipo de testes, uma maleabilidade totalmente diferente nas avaliações, por vezes muito influenciadas pelo facto de o professor gostar, ou não, do aluno. Encontra-se de tudo, não posso dizer que tive azar, a maioria dos meus professores ensinava bastante bem e atribuía as notas de forma justa, está claro que houveram aqueles com quem simpatizava mais e cujos os métodos de trabalho eram mais do meu agrado.  
Conheci muita gente nova, dentro e fora da minha turma, uma coisa é certa: conheci pessoas com quem realmente me identifico e com quem espero manter contacto ao longo da minha vida. E sim, tenho a noção, esta frase parece ter sido tirada daquele filme de adolescentes, com uma qualidade que deixa a desejar, e em que a adolescente hormonal parece ter encontrado a felicidade eterna, mas não é, de todo, isso. Foi este ano que senti que umas quantas pessoas me quiseram realmente conhecer, o que é algo que valorizo bastante, visto que sou prima da timidez e não ando propriamente a cantar ao mundo a minha pessoa. Terminei o ano a conviver com pessoas com quem tenho grande gosto em falar e por quem possuo um imenso carinho e gratidão por terem entrado na minha vida. Não é um mar de rosas, tive a minha dose de Reginas George, mas qual é o sítio onde não as encontramos? Existem colegas e amigos, posso dizer que encontrei umas quantas aves raras no meio de periquitos (animais adoráveis, se me atrevo a dizer) .




São esses bons amigos que se incumbem de ajudar no que é, para mim, a parte mais complicada da vida académica, lidar com o stress. Digo, sem dúvida alguma, que me ajudaram imenso a ultrapassar  este grande obstáculo. Sempre fui uma pessoa ansiosa, o que me condiciona bastante, mas o 10º ano colocou-me  frente  a frente com um demónio que tenho à muito tempo, desta vez, ele assumiu uma proporção muito maior. As médias de entrada para a faculdade, as expectativas, a pressão vinda de todos e mais alguns, é difícil. Os últimos meses foram caóticos o que, olhando para trás, me trouxe bastantes benefícios, pois tive de lidar com uma onda de trabalho tão grande que me fez ter de ignorar tudo o que sentia de forma aos deveres estarem prontos a tempo. Fez-me crescer, algo muito positivo visto que, daqui para a frente, só se torna pior. 
Sempre fui uma pessoa organizada, ou, pelo menos, considero possuir tal característica. Sempre com a agenda na mão, cadernos para isto e para aquilo, fã de caixas e caixinhas para arrumação, etiquetas e, sobretudo, listas de tarefas, muitas listas de tarefas. Por mais organizada que seja este ano fez-me perceber o tão má que sou a gerir o meu tempo e, quando digo má, penso estar a usar um eufemismo. Tinha quatro tardes livres e, mesmo assim, acabava por "não ter tempo" de fazer isto ou aquilo, ou de ficar acordada até altas horas da madrugada para ter tudo pronto a  horas. Temos de ter em conta o fator cansaço, que me impedia de conseguir manter o foco, mas não acho que me possa desculpar com isso. Podia ter começado a trabalhar mais cedo, podia ter adiantado tarefas quando a agenda não estava tão apertada, podia ter passado menos tempo a afligir-me com a montanha e trabalho que tinha, mantido a cabeça fria e ter-me mentalizado que precisava de por as mãos na massa. Tendo em conta que reconheço tudo o que poderia ter feito melhor, acredito que para o ano vou conseguir melhorar este aspeto.



Falar para público fará, com toda  a certeza, parte do meu futuro graças às minhas escolhas profissionais, como tal as apresentações orais são algo que pretendo terminar o secundário a fazer com uma perna às costas. Perdi a conta a quantas fiz este ano, o facto é que, as do terceiro período, foram as que correram melhor, penso que por diversos fatores como os temas que escolhi serem do meu interesse e abrangerem conhecimentos que já tinha, por já estar tão cansada que só queria que aquilo acabasse, ou até mesmo por ter ultrapassado o stress que foi apresentar um trabalho de grupo de história com mais de trinta páginas, coisa que nunca tinha feito (mais uma vez, continua a ser uma das minhas professoras preferidas, mas podia facilitar-me a vida querida stora de história). De qualquer das formas, acho que, para os próximos anos, estar diante de quem seja a expor as minhas ideias não será tão difícil (sim, porque um nickname e ir de máscara para a escola está fora de questão, penso eu).
No verão de 2015, quando me questionavam acerca do meu futuro académico, alertavam-me para como este seria o ano em que tudo mudava, em como seria o meu período de adaptação e em como não me deveria preocupar caso o meu objetivo em termos de média não fosse cumprido, já que é hábito conseguir aumentá-la no 11º ano.Passou muito rápido e, olhando para trás, para todas as novas, boas e más experiências, foi um bom ano. Por entre  aventuras e desaventuras, percebi que todos estávamos no mesmo barco, todos nos sentimos nervosos no primeiro dia, todos retira-mos primeiras impressões uns dos outros, todos tínhamos medo das apresentações orais, todos passamos por dificuldades. Isto deu-me uma sensação de conforto.Sendo o stress uma adaptação a novas situações (palavras do meu fabuloso stor de filosofia) e sendo, definitivamente, o 10º ano uma forte chapada de novidades, todos o sentimos e, por isso, pelo menos a maioria, era compreensiva em relação aos seus colegas e existia alguma entreajuda. Os meus meses de férias foram merecidos e, por muito entusiasmante que seja pensar no 11º ano, espero que eles demorem  a passar.



19 comentários:

  1. Eiiii
    vc escreve muito bem
    texto top...Prende a gente a leitura
    Grande beijo
    www.zilandrarodrigues.com.br

    ResponderEliminar
  2. De facto no 10º ano sofremos um "choque", mas que com o tempo acabamos por nos adaptar.
    Acredita que no 11º, mas mais especialmente no 12º terás imensas apresentações orais e trabalhos a realizar, que farão com que desenvolvas imenso as tuas competências.
    Aproveita os 2 anos que te restam porque, acredita, são 3 anos de secundário e 3 anos que marcam mesmo muito :)

    http://cidadadomundodesconhecido.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei que os próximos anos serão mais complicados, estou mentalizada para tal e entusiasmada pois sei que tenho muito a aprender e muito trabalho pela frente!
      Sempre ouvi dizer que são aqueles em que mais aprendemos a lidar com outras pessoas e em que desenvolvemos os nossos gostos e opiniões.

      Eliminar
  3. Adorei o texto e realmente deparei-me com muitas dessas dificuldades que espero eu terem sido superadas com sucesso. Mais dois anos virao e dois anos cheios de obstáculos, dificuldades, mas também felicidades e novas experiências para a vida.
    - A tal menina da camioneta 332

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara anónima, não tão anónima quanto isso, da camioneta 332, eu sei que essas dificuldades fora ultrapassadas e, se as minhas o foram, foi também com um toque da tua mãozinha. Sim, faltam-nos dois anos de desafios, confio nas nossas capacidades!

      Eliminar
  4. Adorei o post, este ano vou iniciar o secundário, uma nova fase da minha vida, e apesar de estar ciente de que que vou ter muito, mas mesmo muito trabalho pela frente, tenho esperanças de que tudo corra bem. :)
    Beijinhos

    Saturn's Mermaid

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! :)
      Ao início pode parecer muito estranho e novo mas vais ver que, tal como me aconteceu a mim, vais habituar-te e as coisas que achavas novas vão começar a ser normalíssimas. Vais ter, sem dúvida, muito trabalho pela frente mas nada que não consigas ultrapassar. Se precisares de alguma coisa avisa!
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Oh é pena não conseguires atualizar!
    Adorei o post, eu senti muito disso agora no meu primeira ano de universidade :)

    http://photographybyvania.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  6. Escreves muito bem :)
    O meu 10º já foi há muitoooooo tempo xD Mas consegue ser stressante pois é um mundo novo!
    Beijinhos,

    http://chocopink89.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Olá! Que lufada de ar fresco e encontrar um blog jovem e tão bem escrito. Já vi aqui nos outros comentários que não sou a única a pensar isso. Estás de parabéns!
    A vida é mesmo uma série de fases de adaptação, depois do secundário virá a faculdade, depois disso o mundo do trabalho, logo após aquela percepção real de que já somos adultos com enormes responsabilidades e com a sensação de que tudo passou muito rápido. Por isso aproveita bem estes próximos anos que se aproximam, bem como todas as restantes fases da tua vida 😊
    Já te estou a seguir!

    http://amiudasempreaandar.blogspot.pt/2016/07/sentindo-de-o-humor.html?m=1

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada! Este comentário foi a primeira coisa que li depois de acordar, fez o meu dia! :D
      É verdade, sendo a vida feita de sucessivas mudanças, temos de aproveitar cada momento da melhor maneira.

      Eliminar
  8. Adorei o texto escreves tão bem! É normal teres tido esse medo inicial no 10°, no meu 10° ano senti o mesmo até porque não conhecia ninguém da minha turma mas acabou por ser uma boa experiência era muito envergonhada e desde essa altura deixei a vergonha de lado. Aproveita bem o secundário e na minha opinião deves focar-te no estudo e em ter boa média mas procura sempre divertir-te isso tambem é importante.
    Por enquanto desejo-te uma boas férias :)
    Vou seguir o blog.
    Beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada!
      Sim, foi difícil, mas passou e agora é aproveitar o descanso para começar em força o 11º! Já aprendi muita coisa e sei que não vai parar por aqui.
      Obrigada por seguires, beijinho!

      Eliminar
  9. Daqui a um mês estarei a viver esses momentos..
    Beijinhos

    Mia | my-world-vibes.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que corra tudo bem e que tenhas muito sucesso :)

      Beijinhos

      Eliminar